·

Posso confessar uma coisa?
Amo todos vocês que leem, que acompanham meu blog e que o seguem.
Obrigado aos 206 seguidores pelo apoio que dão ao meu primeiro projeto!
Quatro anos de felicidade!!!




sábado, 9 de janeiro de 2010

Colegial.


Ao passar pelos portões da escola pude sentir um frio na barriga. Era aquele frio que sempre sentia quando começava tudo de novo. Ainda não sabia porque continuava a senti-lo, afinal eu estava na mesma escola chata há pouco mais de 5 tédiosos anos.
Segurei fortemente a alça lateral da minha bolsa e tropecei no mesmo burraco que havia no meio do pátio. Antes de me estabacar novamente no chão, meus braços foram segurados rapidamente me machucando e meus cabelos caíram para a frente do meu rosto me impossíbilitando ver quem tivera a bondade de me ajudar. No mesmo instante ouvi murmurros de todos os lados.
Quando pude parar em pé, retirei os cabelos do rosto e vi aqueles olhos. Eu não os reconhecia. Aquele rosto parecia angelical. Não podia ser da escola.
- Hei, você está bem? - perguntou ele me fitando ainda com as mãos em meus braços como se eu ainda pudesse cair a qualquer instante.
- É, hmm, estou. - respondi meia sem jeito desviando o olhar.
- Meu nome é Lucas. - disse ele me soltando - Sou novo por aqui.
Meu coração faltou pular para fora do peito ao ouvir essa frase. Finalmente uma alma boa nesse lugar. Pelo menos ele parecia bom.
Fiz um gesto desordenado com a cabeça e continuei a seguir por onde ia.
- Então é assim? - pude ouvi-lo ainda dizer atrás de mim - Eu te ajudo e você me larga sozinho mesmo depois de ter dito que era novo por aqui?
Meu corpo parou na hora. Dei um longo suspiro e me virei. Nunca ninguém havia falado desse jeito comigo. Já havia me acostumado com todos simplesmente me ignorando. Meus passos foram curtos até ele e parei temendo o que ainda poderia ouvir.
- Em que posso ajudar? - perguntei sarcasticamente - Hm, tudo isso que sua visão alcança é a escola. Aquelas portas ali na frente vão dar nas salas de aula do colegial e aqui no pátio onde estamos é o fundamental.
- O.k - disse ele me interrompendo - Não precisa fazer isso. Não quis ser grosso, mas uma companhia no primeiro dia não seria nada mal.
Não podia acreditar no que ouvia. Como assim companhia? Não podia ser verdade. Pude sentir meu rosto ficar rígido e meus braços soltarem a alça da bolsa.
- Hã? - questionei.
- Você está no colegial não? - perguntou ele. Fiz que sim com a cabeça. - Então como acho que devemos estar no mesmo ano, não custaria nada você me dar uma mãozinha. O que me diz?
- Claro, claro. - respondi afobada.
_______________________________________
Continua....

7 medos:

Bianca Ribas disse...

Ahh qe lindo, chorei aqui do outro lado da tela. um buraco sortudo, jah tô loca pela segunda parte!

Thatha disse...

Que fofa a sua historia eu quero ver logo o que acontece com ela quando tiver pronta da pra mi avisar

Blanca disse...

Que texto bonito! Li ele todo, amei, amei. Parece com uns trexos de uns livros da Cabot.

Estou esperando a continuação! Bjs!

Tulyp Stooly disse...

gostamos muito do texto. Aguardamos tu continuar :)

bý: Ana's & cia

Natasha Knorst disse...

Gostei do texto e do blog :D

Fernanda disse...

adorei. Faça a continuação logo.

bgs

Marie disse...

Também já me senti assim.
Bons tempos!
Aguardo a continuação