·

Posso confessar uma coisa?
Amo todos vocês que leem, que acompanham meu blog e que o seguem.
Obrigado aos 206 seguidores pelo apoio que dão ao meu primeiro projeto!
Quatro anos de felicidade!!!




terça-feira, 20 de abril de 2010

O fim da Trilha.


Essa era a minha sina. Continuar a cair, mesmo que tivesse que levar outros comigo.
A dor do impacto ao cair foi mais intensa e dolorida quando Henrique caiu sobre mim me fazendo gritar por impulso. Não rolamos barranco à baixo, mas quando ele saiu de mim o que mais desejei foi ter rolado à baixo antes que ele caisse sobre mim, me impedindo de gritar com ele.
Respirei fundo colocando a mão sobre a barriga, onde o impacto foi maior tentando fazer aquela sensação de aperto sair. Sentei lentamente olhando-o de pé ao me lado com as mãos na cintura sorrindo como se nada tivesse acontecido.
- Não foi uma boa ideia. - disse ele olhando para a copa das árvores.
- Realmente não foi. - concordei tentando me levantar.
Segurei a mão dele para me levantar direito e não ter de apoiar as mãos raladas no chão. Fitei-o séria recebendo um riso.
Ele estava rindo.
- Qual é a graça? - perguntei indignada.
- Não sirvo para salvar ninguém. - murmurou entre risos. - Sua cabeça está melhor?
- Acho que sim. - respondi passando a mão na nuca - Não tem mais sangue.
Olhei para cima vendo quanto falatava para subirmos. Graças a Deus que não era muito. Não aguentaria ter de cair novamente. Principalmente se ele ficasse por cima onde eu teria de lamber o chão.
Soltei o ar de mus pulmões pensando em como sairia dali sem cair novamente. Procurei por algo a minha volta que pudesse ajudar. E ali estava. Bem do meu lado uma linha reta de árvores que por onde eu me apoiaria para subir.
- Que tal subir por aqui? - sugri apontando para as árovres.
- Boa ideia. - concordou se aproximando - Você primeiro.
Dei de ombros me aproximando da árvore ao meu lado me agarrando a ela e assim sucessivamente tentando não afobar ignorando qualquer pontada de dor nos meus membros para não tropeçar como de costume.
Quando cheguei ao topo sentei no chão sem pensar duas vezes ofegando rezando para que parasse de doer. Henrique chegou logo atras de mim transpirando ainda com o sorriso no rosto, um sorriso que eu queria arrancar dele.
- Porquê sorri tanto? - questinei passando a mão nos joelhos.
- Por quê mesmo tendo caido em cima de você, eu consegui pelo menos descer e tentar te ajudar. - respondeu deitando no chão ao meu lado - E prometo que nunca mais tento fazer de novo.
- Assim espero. - desejei me deitando ao lado dele.
____________________________________
E fim porque odeie completamente essa história.
A próxima vai ser bemmm melhor! I promise.

10 medos:

P. Ferreira Garcia disse...

que lindo teu texto e teu blog, adorei (:

C. disse...

você odiou? eu adorei (:

Sara disse...

Sim, infelizmente sim. Nós queremos, lutamos e quase nunca conseguimos. Eu gostei do texto :}

Marcos Almeida disse...

Cada queda é como um ovo que choca e quando um ovo choca é porque é a vida partindo a casca do desconhecido, partindo desse princípio levantar após uma queda é recomeçar é a vida que parte mais uma vez a casca do desconhecido.

amei o texto! abraços;)

Marie disse...

As vezes são quedas assim que aproxima as pessoas. Eu gostei, não ficou mal feito não.

Lôoh Toledo disse...

Lindo Lindo *-------------------*

como sempre né Chris ><

saudades daqui, ando tão sem tempo :s

Vanessa disse...

Por que você odiou? Eu gostei, ok? Mas eu não queria levar um tombo desses! hehehe

Dryka Sales disse...

Adorei o teexto *-*

Monique Premazzi disse...

Não ficou nada ruim ta senhorita? Eu adorei o final *-* Henrique é muito fofooooooo \o/

Alias, estou com sérios problemas hoje porque estou chamando todo mundo de Chris D: ALOOOOK
KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK

xx

Monique Premazzi disse...

Amiga não se extresse porque não é a primeira ): Enfim, tem post novo láaaa êÊ
xx