·

Posso confessar uma coisa?
Amo todos vocês que leem, que acompanham meu blog e que o seguem.
Obrigado aos 206 seguidores pelo apoio que dão ao meu primeiro projeto!
Quatro anos de felicidade!!!




sexta-feira, 23 de abril de 2010

A última vez.



Meu coração estava doendo. Minha mente estava confusa. Minhas mãos suavam. Meus ouvidos não acreditavam no que ouviam. Porque isso estava acontecendo?
Eduardo me fitava com aqueles olhos azuis segurando minhas mãos tremulas, enquanto me segurava para não chorar. Talvez ele estivesse certo ao dizer que nos tornamos pessoas diferentes do que éramos sem nos dar conta disso, mas ele não tinha razão ao dizer que eu fui a causa dele se tornar alguém insuportável, controlador, possessivo.
Ele soltou minhas mãos passando a apertar meus braços quando suspirei. Suas mãos estavam me machucando. Com um único movimento olhando para o céu ele me puxou para os degraus atrás dele, me fazendo tropeçar.
- Meu pai estava certo quando me disse para ficar longe de você. –disse ele levantando meu rosto para olha-lo – Ele tinha razão ao dizer que você me mudaria.
- A culpa não é minha! – retruquei nervosa tentando soltar meus braços.
Senti minha garganta arder, senti minha testa ser pressionada contra a dele e minhas mão tentavam empurra-lo para longe de mim.
- Você me fez perder o contrato de um hotel! – bradou ele cerrando os olhos a centímetros de mim – Me fez perder a chance de me tornar maior que meu pai!
- E isso apenas se trata disso? – questionei afastando-me – De sua briguinha com seu pai? Uma coisa que aconteceu há anos?
Desvencilhei-me dele e me virei para descer os degraus quando senti uma pressão contra mias costas me fazendo perder o equilíbrio e cair ali. Me apoiei no chão bufando de raiva. Ninguém nunca se atreveria a fazer isso comigo, eu era intocável. Olhei para os lados vendo uma pá que o jardineiro havia esquecido. Estiquei meu braço ralado até ela segurando-a firmemente.
Me levantei de vagar com raiva, ódio de Eduardo. Virei em direção à escada, vendo-o parado no patamar de costas para mim abotoando o seu terno.
Subi os degraus batendo o pé e sem pensar acertei-o com a pá na cabeça. Ofeguei quando ele pôs as mãos na cabeça que sangrava e caiu aos meus pés de olhos abertos e mãos estendidas. Soltei-a pá e abri minha bolsa pegando meu celular.
- Allison?
- Sim, Catherine?
- Eu tenho algo que quero te contar, mas você tem que prometer nunca contar a ninguém.
- Eu prometo.
- Jura pela sua vida?
- Eu juro pela minha vida.
- Acho que matei meu namorado.
_________________________________________
Ufa!
Em cinza trecho da música Secret doThe Pierces

10 medos:

Fernanda Pessanha disse...

Eu já quis diversas vezes matar o meu namorado, mas a pá...ui...deve ter doído mesmo.

Emi disse...

Nossa! oO
Hahahah, adorei, embora tenha ficado tensa com a história, RRS.
Adoro esse blog!
Beijos, flor!

Sara disse...

caramba, #tenso. Matar o namorado. Gostei do blog :}
http://maisqueilusoes.blogspot.com/

Sully Sanches disse...

nossa, que tenso isso.. quanta violência o_o IAUHSIUAHS gostei amr *-*

http://eusouarainhadodrama.blogspot.com/

Bell Souza disse...

Obrigada pela visita! beijos

Bia Carvalho disse...

Uau... que história! Me surpreendi com o final!

Desculpe a invasão, mas eu tenho uma ótima notícia!

O Blog Amor, Mistério e Sangue está estreando sua primeira promoção!!!

O prêmio para o vencedor é o primeiro volume da Série "A guerra das Sombras"

O Livro de Dinaer
Para mais informações sobre o livro
http://www.aguerradassombras.com/dinaer.html

Você não pode perder essa super promoção!!!
http://amormisterioesangue.blogspot.com/2010/04/primeira-promocao-do-amor-misterio-e.html

Bjs e boa sorte!

Gabriela Andrade disse...

Que malvada! Haha
Não entendi muito bemo finalzinho, mas gostei da história. Um beijo!

Ana Carolina Lima Da Rosa disse...

Gostei da historia :*
e parabéns por ter ganhado :*

Aquilla Góes disse...

Gostei *-*. Ficou mega sinistro, mas bem legal

Carô disse...

Ahhh que show OHDSAHIOHD
ficou muito legal :DD