·

Posso confessar uma coisa?
Amo todos vocês que leem, que acompanham meu blog e que o seguem.
Obrigado aos 206 seguidores pelo apoio que dão ao meu primeiro projeto!
Quatro anos de felicidade!!!




quinta-feira, 3 de junho de 2010

Zoey and Cody (1)


Iriam me matar. Com toda certeza. Aquilo era muita maluquice para a minha cabeça.
Agora não era hora de entrar em pânico. Muito menos o momento para me esconder de baixo da mesa. Havia dito a Cody, meu vizinho energúmeno, que se ele me deixasse testar o experimento nele, colocaria seu nome no projeto, garantindo que ele tinha me ajudado.
Só que havia um problema. Eu também não sabia como funcionava, nem como ligava.
Eu havia criado um monstro. Grande coisa! A idéia nem era minha para começo de conversa. Isso nunca teria acontecido se senhora Kisnley, professora de ciências tivesse me dito que repetiria o ano se não apresentasse algo surpreendente para a feira de ciência neste final de semana.
Devia ter a ignorado como fiz nos últimos oito meses. Mas, não, eu tinha de me importar com isso e por em pratica o que li no livro que achei no sótão.
- Pronto Cody? – perguntei segurando um capacete velho nas mãos – Não vai doer nada.
Pelo menos era o que eu esperava.
Com um aceno de sua cabeça, coloquei o capacete nele mordendo o lábio inferior rezando para aquilo funcionar. Tinha de funcionar, ou eu estaria em sérios problemas.
Apertei um grande botão vermelho em um painel ao lado da cadeira onde Cody estava sentado e ouvi aquele chiado de eletricidade passando pelos fios até o capacete.
- Hei Zoey, o que é isso? – perguntou ele quando vi o capacete tremer – Está fazendo cócegas.
Soltei o ar dos pulmões coçando a cabeça tentando encontrar o melhor jeito de explicar aquilo a ele. Como é que eu podia ter um vizinho tão tonto que nem se quer sabe a diferença entre elétrons e prótons?
- Ahn, é uma maquina que apaga memórias. – respondi cerrando os olhos esperando que ele me xingasse – É algo fora dos padrões normais de projetos de ciências.
- E fora dos padrões normais quer dizer lixo na sua língua por acaso? – questionou ele – Por que é isso que esse aparelho está parecendo. Uma montanha de lixo.
Revirei os olhos, não respondi. Apenas fiquei observando-o de cara fechada com as mãos na cintura imaginando quando ele cresceria e por um milagre qualquer ficasse inteligente e pudesse ver que ali na frente dele estava a descoberta do século. Não era apenas uma maquina simples.
- Pense em algo que você queira esquecer. – pedi examinando a maquina – Algo que você não se orgulhe de ter feito, ou que não queira que tenha acontecido.
- O fato de você ter me obrigado a te emprestar o meu Xbox 360 novinho para fazer esse treco. – disse ele entre dentes.
Dei de ombros ignorando aquele fato, afinal vídeo games não prestam para nada. Bem, para nada além de fazer maquinas que apagam a memória. Apertei o botão azul e me afastei temendo o que poderia acontecer a seguir. Houve uma pequena explosão que fez sair fumaça do painel.
- Cody, tudo bem? – perguntei abanando o ar.
- Cody, quem é Cody?

8 medos:

Lôoh Toledo disse...

eu Chiris *---------------*

cara amei o texto estou curiosa para saber em que vai dar, please posta mais posta ><

Emi disse...

Também tô curiosa! Posta logo, rs!
Beijooos!

Pérola disse...

agora estou presa ao seu blog rs
quero ler logo a continuação, espero que não demore muito :)
beijos

Camila. disse...

Amei o post, estou esperando a continuação *-*

Christine Wengrzynek disse...

Nossa, muito legal *-* Fiquei curiosa rs..

Monique Premazzi disse...

Você tá afim de matar alguém dona Chris? Como você cria um conto assim e simplesmente para na melhor parte? EU QUERO MT SABER O QUE VAI ACONTECER COM O POBRE DO CODY ):

xx

C. disse...

Adorei, posta a continuação pleeease? *-*

isabela branco disse...

que historia linda cara *-*