·

Posso confessar uma coisa?
Amo todos vocês que leem, que acompanham meu blog e que o seguem.
Obrigado aos 206 seguidores pelo apoio que dão ao meu primeiro projeto!
Quatro anos de felicidade!!!




terça-feira, 1 de junho de 2010

Correção: eu adorava estar aqui.

Quando comecei a escrever essa post, umas horas atrás, pensei em mil possibilidades de desenvolver esse título que não me sai da cabeça. O motivo disso? O fim de temporada do meu seriado favorito Grey's Anatomy, que me chocou muito e me deixou com os nervos a flor da pele até o instante que acabou e anunciaram que teria um episodio extra.

Pra quem não viu, não vou contar o que aconteceu porque estraga a surpresa, mas posso adiantar que aparece muito mais sangue nesse episodio do que qualquer outro já visto.
Mas vamos ao que interessa:


Nos meus sonhos mais profundos, nos meus desejos mais loucos, eu sabia que estar aqui era uma loucura. Havia anos que não passava por aquela porta de vidro e não sentia aquele cheiro de remédio e roupa seca. Ali parada na recepção podia me sentir aconchegada como se estivesse entrando em casa depois de um longo dia de trabalho.
Lembro com perfeição da uma vez que estive ali. O corredor da sala de emergência estava lotado de médicos, enfermeiros e pacientes que chegavam a todo instante de um acidente na rodovia. Mas não me recordava de ter trabalho naquele dia, ao contrario disso, naquele dia eu era uma paciente de um acidente.
Ouvia os médicos gritando pedindo Adrenalina, morfina e eletrodos. Estava desesperada, não sabia ao certo o que acontecia, nem se sairia bem daquela. Depois de ter visto o médico me olhando nos olhos como se estivesse ressentido, ele pegou as pás de desfibrilação e aquele chiado foi a única coisa que ouvia.
Doze horas depois, estava em um quarto branco, não mais entre as paredes verdes do corredor e uma forte luz me cegava. Tentava me mexer, mas não sentia meu corpo. Ouvia vozes ao meu lado, mas não via ninguém ali, minha garganta ardia e eu não sabia como pedir água.
Com pancadas bruscas vi alguém parando na porta com uma prancha nas mãos me encarando. Era minha melhor amiga com aquele olhar frio e de boca franzida entrando no quarto. Ela não precisou dizer nada, pois ao tocar na minha mão fria eu soube o que estava acontecendo e o que ela queria me dizer.
Eu tinha perdido minha família naquele acidente.
É difícil de aceitar, recomeçar do zero. Talvez fosse isso que eu não queria aceitar
Fechei meus olhos tentando esquecer aquele dia mais uma vez e não ter que sentir meu coração apertado. Nunca falei sobre o que minha melhor amiga estava me dizendo com aquele simples toque na minha mão. Eu sabia que estava tudo perdido, quem eu havia perdido.
Respirei fundo olhando o final daquele corredor verde passando pela recepção.
- Bom dia doutora Grey. - desejou a recepcionista.
Eu ainda tinha a mim e a minha amiga.

11 medos:

Camila. disse...

ah, o texto está muito lindo,
você escreve super bem.

Emi disse...

texto lindo
eu sei o que aconteceu, eu nem assito mas eu vi o comercial e cara eu também fiqui chocada e olha que nem é um dos meus favoritos, mas estranhamente fiquei com uma vontade louca de assitir

Christine Wengrzynek disse...

Muito lindo esse texto, parabéns, você escreve muito bem. Estou te seguindo .-.

kaahfreitas disse...

que lindo.

Patrícia disse...

ah, que lindo! Adorei mesmo.

Manuh *.* disse...

Mermãooo.
o que foi aquele final de grey's EU MORRIR ETERNAMENTEEE
X:
boa sorte na promoção :)
:*

mari ebert disse...

ai que legal! adorei o conto bem trágico rsrs. Já te mandei os negocios da encomenda por e-mail, bjão!

Rafa disse...

muito lindo o texto.

Fernanda Pessanha disse...

O texto está muio bom, eu já vi algusn episódio de Grey's Anatomy mas nunca me interessei muito.

Cris Souza disse...

O texto ficou ótimo! tem só que arrumar umas palavras e acrescentar outras que você "comeu" (só uma dica) muito bom, beijos e volte maissss vezes!

In Verbis disse...

Olá, passando para te convidar para conhecer o Projeto In Verbis.

http://oprojetoinverbis.blogspot.com/

Abraços.