·

Posso confessar uma coisa?
Amo todos vocês que leem, que acompanham meu blog e que o seguem.
Obrigado aos 206 seguidores pelo apoio que dão ao meu primeiro projeto!
Quatro anos de felicidade!!!




quarta-feira, 23 de junho de 2010

Fame (5)


Sério, não tinha momento pior para minha mãe aparecer. Eu estava no fim de uma D.R daquelas e ela queria saber das margaridas dela. Se isso não fosse o bastante, o namorado dela (o do mês de abril) entrou atrás dela pela porta da cozinha retirando o casaco de corro vermelho e suando.
O rosto da minha mãe estava horrível. Não que ele fosse lá essas coisas, afinal ela é mãe, não uma garota de vinte e poucos anos que vive livre, leve e solta sem problemas. O cabelo dela que estava preso com uma mecha para trás estava desgrenhado, a maquiagem dela havia sumido e suas bochechas haviam passado do estado vermelho saudável, para um vermelho de raiva.
Afastei-me de Marcelo torcendo nariz esperando pela baita bronca que receberia, mas ela não disse nada por um tempo. Apenas ficou ali atrás do balcão me fuzilando com os olhos, tentando passar aquela mensagem de “eu vou te matar, porque você me fez acreditar que não fez nada!”, o que tecnicamente era verdade. Quem fez tudo na verdade foi à droga do fotografo que enviou minhas fotos beijando Rafael Schmidt para metade do país.
- Juro que posso explicar. - comecei a dizer me aproximando dela com as mãos na frente. Mas, como é que a essa altura do campionato eu podia achar que realmente conseguiria explicar alguma coisa? - Você não precisa ficar brava, nem gritar, muito menos me por de castigo pelo resto do ano, porquê... porquê....
- Ah, graças a Deus! - pude ouvir senhora Della Nina dizer entrando na cozinha se arrumando - Enfim a empregada chegou. - concluiu encarando minha mãe. - E um chofer também? - indagou depois de perceber a presença do namorado (do mês de abril) da minha mãe - Vamos começar a trabalhar então!!!! Minhas roupas estão na sala dentro da mala de viagem e quero uma banheira para poder relaxar, enquanto isso você aí - indicou ela apontando para o namorado da minha mãe - pode ir buscar uma revista de fofoca e uma coca diet com um croissant de chocolate.
Olhei de senhora Della Nina para minha mãe a expressão dela não era das melhores - da minha mãe. Parecia que a qualquer momento iria voar no pescoço de alguém e começar a segunda guerra mundial.
- Posso saber quem a senhora pensa que é?! - bradou mamãe se apoiando no balcão
- Como assim quem eu sou? Sou uma grande empresaria, empresaria de Rafael Schmidt e espero que você ande logo com meu banho!
Foi exatamente aí que percebi o quão ferrada eu estava.

14 medos:

Rebeca . disse...

Que historia ein... (:
Sucesso pra ti com o blogg :D

Pirulito que Bate-Bate disse...

Continue!
Beijinhos.

Helen Karoline disse...

Achei muito legal o conto, ficou muito bom mesmo. É incrivel como a gente já conhece os olhares maquiavélicos das mães hihi.
Beijos querida :)

Millene disse...

AINNN tão perfeito (:

ana disse...

Meu Deus, olhares de mãe não nos enganam nunca! hahahahaha
adorei, estou te seguindo :)

Rodolpho Padovani disse...

Ahh, fiquei meio perdido, mas volto com mais tempo para ler os anteriores...

Bjs =)

Natália disse...

Não entendi mto bem! bj

Marcos Lucas disse...

Essa história está ficando cada vez melhor. Estou curioso para o próximo capítulo.

Monique Premazzi disse...

Eu ri bastante nessa parte da história KKKKKKKKKKKKKKKKK Adorei a mão dela *-* Enfim, quero saber o que vai dar essa historia que ainda parece mistério pra mim.

Senti saudades daqui.
xx

ana disse...

muito bacana mesmo viu :)

Jorge Lima disse...

MEDO!!!!
Esperando pelo 6<"

Rah C. disse...

UASHAUSHAUSHAUSHAUS' eu ri mto dessa parte HAHA' QUEERO MAIS (:

p.s: hoje posto um continho novo .-.
beijos

Iana Ferreira disse...

Que lindo , vou ler as outras partes !
Aguardo a continuação !

C. disse...

Perdi quando você postou porque eu sou burra e tava de recuperação, mas adorei essa parte. A Della Nina vai acabar levando uns tabefes, e isso vai ser mto lindo *-