·

Posso confessar uma coisa?
Amo todos vocês que leem, que acompanham meu blog e que o seguem.
Obrigado aos 206 seguidores pelo apoio que dão ao meu primeiro projeto!
Quatro anos de felicidade!!!




domingo, 13 de junho de 2010

O reino perdido de Havilá

Prólogo - Parte 2
O falso herdeiro.
- Não, isso nunca aconteceu.
- Pelo menos algo de bom nessa história! Séria terrível saber na hora do casamento que você pertence a outro. Você sabe bem o que acontece.
- Não precisa repetir isso, sei que o primeiro beijo de amor eterniza o casamento.
- Só quero que saiba de uma coisa, se nascer apenas uma criança eu a matarei.
Safira olhou-o e deixou mais lagrimas caírem. Nunca passara pela sua cabeça ter que matar seu filho. Mesmo sendo de outra pessoa ela o queria. Precisaria que Emanuel fizesse sua parte para que duas crianças nascessem no mesmo dia.
- De quanto tempo você está? – perguntou Emanuel com a mão na barriga de Safira – Quanto tempo tem o meu filho?
- Uma semana. Emanuel me perdoe, por favor!
- Perdoar o que? Você será minha é o que importa. Deixe que eu providencie a vinda de outro herdeiro do trono.
- Não sei como pude cometer esse horrível erro.
Emanuel colocou suas mãos em volta do rosto de Safira e a beijou eternizando assim o seu casamento.
Ao nascer do sol as cortinas do quarto de Safira foram abertas com rispidez pela irmã de seu noivo, Zilá. Ela abriu os olhos e percebeu um vulto a frente de sua cama olhando-a. Zilá sentou-se na beira da cama e olhou para a parede.
- Sei o que aconteceu entre você e aquele velho. – disse Zilá sem olhá-la - Meu irmão é um tolo por perdoá-la.
- Porque me odeias tanto? – perguntou Safira sentando-se na cama – O que foi que eu te fiz?
- Roubou o meu trono! – bradou ela levantando-se – Traiu o meu irmão! Como tem coragem de me perguntar o que me fez?
- Sinto muito por você Zilá. Nunca quis roubar o seu trono, mas as coisas foram acontecendo e eu acabei me apaixonando pelo seu irmão.
- E aconteceu também que você não teve nenhum pingo de decência e acabou traindo-o com aquele velho!
- Sei que fiz algo errado, não precisa jogar na minha cara! – bradou Safira levantando-se da cama – Seu irmão me perdoou é o que importa para mim.
- Tenho pena dele. Ter que criar uma criança que nem é dele. Quando ela crescer e as pedras as rejeitarem eu serei a primeira que darei risada. O único herdeiro rejeitado pelas pedras, um bastardo que nunca chegará ao trono!
Safira cansara de ser acusada por Zilá. A raiva que guardara em seu peito explodiu em segundos ao ouvir o deboche sobre o seu filho. Sem pensar duas vezes ela levantou a mão e bateu no rosto de Zilá.
- Saia desse quarto e nunca mais se dirija a mim nesse tom. A partir de hoje eu serei a nova rainha e exijo respeito!
- Rainha! Você nunca será rainha. – riu Zilá
As portas do quarto se abriram e o príncipe Emanuel entrou por ela procurando a razão dos gritos que ouvira.
- O que está acontecendo aqui? – perguntou Emanuel abraçando Safira
- Essa louca com quem irá se casar! – respondeu Zilá chorando – Teve a audácia de me bater. Bater em mim!
- Zilá você não é nenhuma santa, se Safira te bateu com certeza ela teve uma motivo muito forte para fazer isso.
- Você está do lado dela? – perguntou Zilá indiguinada – Você pode fazer uma coisa dessas Emanuel? Eu sou sua irmã.
- Saia daqui Zilá! – mandou Emanuel – Não quero vê-lá mais aqui.
Zilá deu as costas para os dois e deixou o quarto. Emanuel passou as mãos nos cabelo de Safira e sentou-a na cama. Ela chorava desesperada.
- O que houve? – perguntou Emanuel – Diga o que ela te fez.
- Ela só me disse a verdade. Que nosso filho é um bastardo e que nunca poderá ser rei. Ela não disse nada de mais.
- Você sabe que ele não é um bastardo.
- A quem quer enganar? Nós dois sabemos que ele é. Não posso suportar essa idéia, ter um filho que não é seu.
- Não se preocupe com isso. Troque-se que daqui a pouco a cerimônia começará.
Emanuel afastou-se dela e fechou a porta ao sair. Safira limpou as lagrimas em seu rosto e abriu se guarda-roupa procurando se vestido de noiva. As cortinas se desenrolaram e do meio dela saiu um vulto. Safira virou-se para elas e levou um susto deixando seu vestido cair no chão.
- Ingrata! – bradou o vulto dando-lhe um tapa em seu rosto – Como pode fazer juras de amor com ele?
- Entenda-me. Tudo o que passamos eu quero esquecer. Num momento de fraqueza me deixei levar.
- Não me parecia um momento de fraqueza. Você parecia saber bem o que fazia.
- Mas eu percebi o erro que cometi e não quero mais que se repita.
- Esse filho te fará lembrar tudo o que passamos juntos! Você nunca se esquecerá do seu passado Safira. O seu mal te perseguira por toda a vida.
- Me deixe! – berrou Safira – Saia de minha vida, desapareça!
- Não será do jeito que você quer. Eu voltarei e você pagará por tudo o que me fez.
Safira sentou no chão desolada após ver a partida do vulto saindo pela janela. Suas lagrimas caíram ainda mais e molharam o seu vestido.

6 medos:

Yanka Vaz disse...

Adorei o post muito bom, :)
beeijos
http://yankavaz.blogspot.com/

Lôoh Toledo disse...

aiii nossa ;#
gostei gostei Chiris ><

se tu fazer continuação me avisa la no meu blog flor, bejos ;*

Camila. disse...

Adorei, vou acompanhar o resto da história.

Baaah disse...

Nossa!
Gostei muito!
Partes emocionantes e chocantes que me fazem querem ler até o final.
Espero a continuação.*_*

Ps.:Muito obrigada pela força lá...Mas de novo, eu não ganhei e fiquei em 12º, acontece.=T
Vou continuar tentando até conseguir o primeiro lugar né...Mas é bom ver que tem gente e gosta e torce.=)

Beijos.
=**

Iana Ferreira disse...

Lindo , aguardo a continuação

Camila. disse...

Adorei, vou acompanhar o resto da história.